Brasil lança Livro Vermelho da Fauna

Brasil lança Livro Vermelho da Fauna

 O Brasil lançou na última quinta-feira (8), durante a Conferência das Partes (COP 13) sobre Diversidade Biológica, que ocorre em Cancun, no México, o sumário executivo do Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. O levantamento, realizado entre 2010 e 2014, representa o maior esforço já feito sobre o tema no mundo.

De acordo com o diretor de Ações Socioambientais e Consolidação Territorial em Unidades de Conservação do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Cláudio Maretti, a publicação do estudo é o primeiro passo para alcançar a extinção zero e funciona como uma das estratégias do País para o cumprimento de metas internacionais de redução da perda da biodiversidade.

“A pesquisa avalia, pela primeira vez, o risco de extinção de todos os vertebrados que ocorrem no Brasil e de um grupo selecionado de invertebrados. Ela irá orientar a criação, ampliação e melhoria de unidades de conservação no Brasil”, ressaltou.

O diretor disse ainda que o levantamento auxiliará o País a alcançar a extinção zero das espécies nativas e a cumprir a meta de Aichi número 12 (Em 2020, a extinção de espécies em risco conhecidas deve estar prevenida e sua situação de conservação, particularmente para aquelas de maior declínio, melhorada e sustentada).

O livro

O estudo é fruto do trabalho de 1.270 cientistas coordenados pelo ICMBio e colaboração de dezenas de outras organizações, com metodologia globalmente reconhecida pela União Internacional de Conservação da Natureza (IUCN, na sigla original).

O levantamento analisou o status de conservação de 12.254 espécies, incluindo peixes e invertebrados aquáticos. Na lista anterior, divulgada em 2003, haviam sido avaliadas 816 espécies. O livro aponta um incremento na quantidade de espécies ameaçadas. O total nessa situação é de 1.173, divididas em três categorias: Criticamente em Perigo (CR), Em Perigo (EN) e Vulnerável (VU).

Maretti afirmou também que, para alcançar a extinção zero, outras medidas devem ser adotadas, como a criação e melhoria de unidades de conservação, planos de ação para redução das ameaças e listas de espécies em risco para adoção de políticas públicas.

A proteção de habitats por meio de unidades de conservação (UCs) é o meio mais utilizado no Brasil para reduzir o risco de extinção das espécies. Ao todo, o País tem 2.029 UCs, entre federais, estaduais, municipais e reservas particulares do patrimônio natural (RPPNs). As 326 unidades federais são geridas pelo ICMBio. Mesmo assim, 180 espécies ainda vivem fora de áreas protegidas.


Acesse aqui: Livro Vermelho da Fauna - Sumário Executivo 

Fonte:ICMBio

Outras notícias que talvez lhe interessem

:  “Cidadania” é tema de Campanha de Educação Ambiental para alunos do interior de São Paulo e Minas Gerais

“Cidadania” é tema de Campanha de Educação Ambiental para alunos do interior de São Paulo e Minas Gerais

Na última quarta-feira(30/03) o Programa de Educação Ambiental da Linha de Transmissão 500 kV Marimbondo II Assis, empreendimento da Triangulo Mineiro Transmissora S.A, finalizou sua Campanha de...

Ambientare patrocina o 4º Fórum de Licenciamento e Gestão Socioambiental para Infraestrutura

A AMBIENTARE confirma presença como patrocinadora no 4º Fórum de Licenciamento e Gestão Socioambiental para Infraestrutura que acontecerá nos dias 13 e 14 de maio de 2015 em São Paulo. O Evento...

Aneel estuda reduzir risco ambiental em leilões de geração

Após propor que eventuais atrasos no licenciamento ambiental de empreendimentos de transmissão sejam compensados aos investidores, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) poderá adotar...

Soluções em meio ambiente
Entre em contato conosco e solicite uma proposta. Temos a solução ambiental ideal para sua empresa.