Brasil lança Livro Vermelho da Fauna

Brasil lança Livro Vermelho da Fauna

 O Brasil lançou na última quinta-feira (8), durante a Conferência das Partes (COP 13) sobre Diversidade Biológica, que ocorre em Cancun, no México, o sumário executivo do Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. O levantamento, realizado entre 2010 e 2014, representa o maior esforço já feito sobre o tema no mundo.

De acordo com o diretor de Ações Socioambientais e Consolidação Territorial em Unidades de Conservação do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Cláudio Maretti, a publicação do estudo é o primeiro passo para alcançar a extinção zero e funciona como uma das estratégias do País para o cumprimento de metas internacionais de redução da perda da biodiversidade.

“A pesquisa avalia, pela primeira vez, o risco de extinção de todos os vertebrados que ocorrem no Brasil e de um grupo selecionado de invertebrados. Ela irá orientar a criação, ampliação e melhoria de unidades de conservação no Brasil”, ressaltou.

O diretor disse ainda que o levantamento auxiliará o País a alcançar a extinção zero das espécies nativas e a cumprir a meta de Aichi número 12 (Em 2020, a extinção de espécies em risco conhecidas deve estar prevenida e sua situação de conservação, particularmente para aquelas de maior declínio, melhorada e sustentada).

O livro

O estudo é fruto do trabalho de 1.270 cientistas coordenados pelo ICMBio e colaboração de dezenas de outras organizações, com metodologia globalmente reconhecida pela União Internacional de Conservação da Natureza (IUCN, na sigla original).

O levantamento analisou o status de conservação de 12.254 espécies, incluindo peixes e invertebrados aquáticos. Na lista anterior, divulgada em 2003, haviam sido avaliadas 816 espécies. O livro aponta um incremento na quantidade de espécies ameaçadas. O total nessa situação é de 1.173, divididas em três categorias: Criticamente em Perigo (CR), Em Perigo (EN) e Vulnerável (VU).

Maretti afirmou também que, para alcançar a extinção zero, outras medidas devem ser adotadas, como a criação e melhoria de unidades de conservação, planos de ação para redução das ameaças e listas de espécies em risco para adoção de políticas públicas.

A proteção de habitats por meio de unidades de conservação (UCs) é o meio mais utilizado no Brasil para reduzir o risco de extinção das espécies. Ao todo, o País tem 2.029 UCs, entre federais, estaduais, municipais e reservas particulares do patrimônio natural (RPPNs). As 326 unidades federais são geridas pelo ICMBio. Mesmo assim, 180 espécies ainda vivem fora de áreas protegidas.


Acesse aqui: Livro Vermelho da Fauna - Sumário Executivo 

Fonte:ICMBio

Outras notícias que talvez lhe interessem

Ambientare é patrocinadora do Seminário “Pernambuco - Celeiro do Desenvolvimento”

Ambientare é patrocinadora do Seminário “Pernambuco - Celeiro do Desenvolvimento”

O seminário, que aconteu hoje(09) em São Paulo, teve grande foco na verticalização industrial, energia e na área de transporte e logística, apresentando as oportunidades a investidores de outras...

Energia solar produz gelo na Amazônia

Energia solar produz gelo na Amazônia

Três meses após a instalação das máquinas que produzem gelo a partir da energia solar, a vida na comunidade Vila Nova do Amanã, no Amazonas, mudou. Agora, os ribeirinhos conseguem manter o peixe...

Sema mostra dados de reestruturação da logística portuária no Pará

Sema mostra dados de reestruturação da logística portuária no Pará

Dados da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) no Pará mostram que, atualmente, o Estado tem destacada participação no que se refere à nova reestruturação logística portuária brasileira. Há...

Soluções em meio ambiente
Entre em contato conosco e solicite uma proposta. Temos a solução ambiental ideal para sua empresa.