Brasileiros fazem a maior avaliação de risco de extinção animal do mundo

Brasileiros fazem a maior avaliação de risco de extinção animal do mundo

Há sete anos pesquisadores brasileiros têm se dedicado ao estudo e monitoramento da biodiversidade nacional. O trabalho resultou na análise de 12.256 animais e atualizou a lista de espécies ameaçadas de extinção.

O estudo, comandado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), representou a maior avaliação de risco de extinção já feita no mundo.

Ao todo, 720 novas espécies foram incluídas na lista, como o macaco-prego-galego (Sapajus flavius), descrito após 2003 cujo habitat (Mata Atlântica nordestina) vem sofrendo redução desde o século XVII, e do maçarico-rasteirinho, ave migratória com declínio populacional.

Mas a melhor notícia, mesmo, foi a retirada de outras 1.173 espécies da fauna ameaçadas de extinção, que constavam na lista anterior, com dados de 2003/2004. Essas espécies melhoraram o seu estado de conservação e saíram da nova lista oficial.

Outras tantas melhoraram de situação, como o mico-leão-preto, que passou de Criticamente em Perigo para Vulnerável, o bacurau-de-rabo-branco, que saiu da categoria Em Perigo para Vulnerável, a arara-azul-de-lear e o peixe-boi-marinho, que passaram de Criticamente em Perigo para Em Perigo.

Iniciado em 2009, o trabalho durou cinco anos ininterruptos, sendo concluído no final de 2014. Ao todo, 1.383 especialistas da comunidade científica de mais de 200 instituições estiveram envolvidos nesse processo.

A nova lista é uma ferramenta fundamental para balizar ações, planos e programas de proteção da fauna ameaçada. Ela representa um diagnóstico, um passo inicial para as ações posteriores, como os planos de ação nacional (PAN) para a conservação das espécies. O PAN é um pacto entre vários setores da sociedade que estabelece compromissos e responsabilidades para melhorar a conservação de determinadas espécies.

Além de evidenciar a importância dos planos de ação nacionais, a lista mostrou o quanto as unidades de conservação (UCs) da natureza são imprescindíveis para a proteção da fauna brasileira. Das 1.173 espécies ameaçadas que melhoraram o seu estado de conservação e saíram da lista, 663 (56,5%) estão presentes em UCs e 498 (42%) já são contempladas por algum PAN.

Fonte: ICMBio

Foto: MIguel Rangel Jr./Flickr 

Categoria: 
Curiosidades

Outras notícias que talvez lhe interessem

Expedição registra exemplar de ave rara no Rio Grande do Sul

Expedição registra exemplar de ave rara no Rio Grande do Sul

Boa notícia para a preservação da fauna brasileira: pesquisadores acabam de registrar um exemplar do cardeal-amarelo (Gubernatrix cristata) na região da Serra Sudeste, no Rio Grande do Sul. A ave...

Conheça o Catálogo de espécies vegetais para recomposição ambiental

Conheça o Catálogo de espécies vegetais para recomposição ambiental

Uma das dificuldades para a recomposição ambiental é conhecer as espécies indicadas para cada bioma ou fitofisionomia. ...

Transformar ideias em inovação: a AMBIENTARE apoia essa iniciativa

A AMBIENTARE é uma das patrocinadoras oficiais do Fórum P&D Energias do Futuro 2015,que será realizado nos dias 27 e 28 de abril, no auditório Furnas, no Rio de Janeiro. O tema central do...

Soluções em meio ambiente
Entre em contato conosco e solicite uma proposta. Temos a solução ambiental ideal para sua empresa.