Energia solar e vento passam hidrelétricas em 25 anos no país, diz estudo

Hoje dependente das hidrelétricas, o Brasil vai ter um salto na geração de energia solar e de ventos (eólica) em 25 anos.

Em 2040, o país deverá ter 43% de sua energia gerada a partir de placas solares ou dos ventos, contra menos de 6% em 2015. Por outro lado, as hidrelétricas, que representaram 64% da capacidade instalada no ano passado, terão sua participação diminuída para 29%.

A previsão faz parte do relatório New Energy Outlook 2016, feito pela Bloomberg New Energy Finance (BNEF). O estudo faz uma projeção da evolução das fontes de energia renováveis nas principais economias do mundo.

De acordo com o relatório, o avanço tecnológico possibilitará o barateamento de equipamentos para gerar energia solar e eólica. Além disso, prevê maiores investimentos nessas fontes de energia.

Até 2040, as fontes de energia renováveis, incluindo biomassa, vão atrair US$ 237 bilhões em investimentos no Brasil.

No mesmo período, as hidrelétricas atrairão US$ 27 bilhões, enquanto a energia gerada por combustíveis fósseis, como carvão e gás, terão investimentos de R$ 24 bilhões, segundo o estudo.

"Instalar uma planta [usina] eólica ou solar é mais barato e mais rápido do que implantar uma hidrelétrica, considerando a mesma capacidade de gerar energia", afirma a analista da BNEF Lilian Alves. "Por isso, prevemos que atrairão mais investimentos."

Revolução da energia solar

O estudo também prevê que o Brasil viverá uma revolução da energia solar a partir de 2020. O número de imóveis com placas solares no telhado deve saltar de 3.500 atualmente para 9,5 milhões em 2040. 

Além do barateamento dos equipamentos, a conscientização também deverá ter influência na decisão de instalar placas solares no telhado das casas. "As pessoas vão perceber que é mais barato gerar a própria energia", diz a analista da BNEF.

Com isso, ela prevê o crescimento do mercado de geração distribuída no Brasil, ou seja, quando uma pessoa produz a própria energia e vende o excesso para o sistema elétrico em troca de créditos.

"Hoje, dois fatores dificultam a expansão da energia solar: os juros altos, que encarecem os financiamentos, e o dólar valorizado, que encarece a maior parte dos componentes importados", afirma Alves.

Para ver o Sumário Executivo do relatório clique aqui

Fonte: http://economia.uol.com.br/noticias

Outras notícias que talvez lhe interessem

ICMBio divulga estudo sobre conservação de cavernas

ICMBio divulga estudo sobre conservação de cavernas

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) realizou uma série de estudos sobre o impacto de empreendimentos e atividades próximos a cavernas. O resultado da ação foi a...

Plantio de mudas deixa Itupanema mais verde

A comunidade de Itupanema participou, no dia 12 de junho, do plantio de 30 mudas de árvores nativas da Amazônia na rua Enéas Pinheiro, na Vila...

Ambientare protocola estudo da Abengoa junto ao IBAMA/AP

No última sexta-feira, 20 de março de 2015, a Ambientare protocolou no IBAMA/AP o Relatório Ambiental Simplificado (RAS), Plano de Controle Ambiental (PCA) e Inventário Florestal, documentos...

Soluções em meio ambiente
Entre em contato conosco e solicite uma proposta. Temos a solução ambiental ideal para sua empresa.