Mosaico do Jalapão soma três milhões de hectares

Mosaico do Jalapão soma três milhões de hectares

Portaria publicada na última sexta-feira (30) reconhece uma área de quase três milhões de hectares como o Mosaico do Jalapão.

A área abrange nove unidades de conservação (UC) nos Estados da Bahia e de Tocantins. A Portaria 434 do Ministério do Meio Ambiente (MMA) está no Diário Oficial da União da última sexta-feira (30).

O mosaico é um instrumento de gestão integrada e participativa. Tem a finalidade de ampliar as ações de conservação para além dos limites das UCs, de forma a compatibilizar a presença da biodiversidade, a valorização da sociodiversidade e o desenvolvimento sustentável no contexto regional.

Um mosaico abrange unidades próximas, justas ou sobrepostas, pertencentes a diferentes esferas de governo ou de gestão particular. No caso do Jalapão, três UCs estão sob a gestão do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), duas do Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia (Inema), duas do Instituto Natureza de Tocantins (Naturatins), uma do município de São Félix do Tocantins e outra sob gestão privada, que é a Reserva Particular do Patrimônio Natural Catedral do Jalapão.

Com o Jalapão, o Brasil passa a ter 15 mosaicos reconhecidos oficialmente. A integração entre as unidades de conservação que compõem cada um deles é feito por meio de um conselho consultivo, formado por representantes do poder público, de organização não governamental, de instituição de ensino e pesquisa e da comunidade, entre outros.

Região estratégica

Inserida no bioma Cerrado, a região abriga as nascentes de afluentes de três importantes bacias hidrográficas brasileiras: Tocantins, Parnaíba e São Francisco, o que transforma o Jalapão numa região estratégica para o País. A presença de animais ameaçados de extinção, como o pato mergulhão (Mergus octosetaceus), desperta o interesse de cientistas de várias partes do mundo.

O extrativismo e o artesanato também representam importantes alternativas de renda e são elementos-chave para o desenvolvimento sustentável das comunidades da região, que mantêm um modo de vida tradicional, utilizando principalmente os frutos, o capim dourado e a palha do buriti para sua produção.

Projeto

O Projeto do Jalapão, responsável pela mobilização que culminou com o reconhecimento, reuniu gestores das UCs, a comunidade e os setores produtivos locais, acompanhados pelo ICMBio e pelo MMA, em parceria com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA).

Fonte: Portal Brasil, com informações do MMA

Categoria: 
Curiosidades

Outras notícias que talvez lhe interessem

Ambientare é patrocinadora do 7º Fórum Eólico Carta dos Ventos 2015

O Sétimo Fórum Nacional Eólico tem como foco para 2015 o desenvolvimento da infraestrutura dos estados para expansão das fronteiras para a geração de energia eólica e na capacitação e pessoas e...

Mais de 300 colaboradores da LT 500 KV SE Luziânia – SE Brasília Leste foram capacitados

VSB Transmissora realiza atividades da Semana do Meio Ambiente com apoio da AMBIENTARE

No início de junho os trabalhadores da Linha de Transmissão 500 kV SE Luziânia – Brasília Leste, em instalação na região de Brasília, dedicaram dois dias de atividades e capacitações em...

Mais seis bens brasileiros são indicados ao título de Patrimônio Mundial da Unesco

Seis bens culturais brasileiros poderão receber o título de Patrimônio Mundial. Os Geoglifos do Acre (AC), Teatros da Amazônia, Itacoatiaras do rio Ingá (PB), Barragem do Cedro nos Monólitos de...

Soluções em meio ambiente
Entre em contato conosco e solicite uma proposta. Temos a solução ambiental ideal para sua empresa.