Participação de renováveis impulsiona geração de energia elétrica no Sul

energia renovável

A Região Sul possui a maior participação de energias renováveis na matriz de geração elétrica, de 92% em 2015 – índice maior que o nacional, 74%. O Centro-Oeste ocupa o segundo lugar (87%); seguido pelo Norte (86%); Nordeste (56%); e Sudeste (55%). 

A participação de 87% de hidráulica na geração total da Região Sul é também a maior entre as regiões. Os dados foram divulgados no boletim Matrizes Elétricas Estaduais – ano de referência 2015 da Secretária de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia (MME).

Comércio 

Com relação ao comércio externo de energia elétrica, o Sudeste e o Nordeste tiveram déficits em relação às necessidades totais, de 48% e 11%, respectivamente. Já a Região Norte apresentou superávit de 85%, a Sul de 73% e a Centro-Oeste, de 43%.

O Norte mostrou a maior proporção da indústria no consumo final de energia elétrica, de 48%, em razão, principalmente, da presença da indústria de alumínio, alumina e de outros não ferrosos no estado do Pará. O Centro-Oeste se destaca pela maior presença do setor de serviços, com 31%, com forte influência do indicador de 53% no Distrito Federal.

No período de 2000 a 2015, os estados com superávit de energia elétrica passaram de seis para 15, mostrando uma matriz elétrica mais diversificada e uma malha de transmissão mais robusta, capaz de promover o intercâmbio entre as regiões sem comprometimento do suprimento.

No mesmo período, o Nordeste brasileiro mostrou a maior taxa média de crescimento ao ano no consumo de energia elétrica per capita residencial, de 3,3%. A Região Sudeste ficou com a menor no mesmo quesito (0,6%).

A exemplo do que ocorre no mundo, as regiões menos desenvolvidas tendem a uma maior expansão de bens de consumo, e as mais desenvolvidas, a uma maior reposição, resultando na diferença entre os indicadores.

O boletim "Matrizes Elétricas Estaduais” apresenta dados sobre as matrizes elétricas de insumos, de geração, de demanda total, de comércio externo, de consumo final setorial e de perdas, para as cinco regiões, além de indicadores de consumo per capita, de ranking e de taxas de crescimento entre 2000 e 2015.

Fonte: Ministério das Minas e Energia (MME)

Outras notícias que talvez lhe interessem

Embrapa terá R$ 33,7 milhões para projetos na Amazônia

Embrapa terá R$ 33,7 milhões para projetos na Amazônia

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) receberá, via Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), R$ 33,69 milhões do Fundo Amazônia, destinado à conservação e...

13º edição do Seminário Nacional sobre Indústria Marítima e Meio Ambiente acontece no Rio de Janeiro

Ambientare participa do Seminário Ecobrasil 2017

Com forte atuação no Licenciamento e Gestão Ambiental de empreendimentos portuários, a Ambientare participa como patrocinadora da edição 2017 do Seminário Ecobrasil, que acontece nestes dias 4 e 5...

PROTOCOLADO ESTUDO DO COMPLEXO EÓLICO ITAGUAÇU DA BAHIA JUNTO AO INEMA

Na última quinta-feira, 01 de outubro de 2015, a AMBIENTARE Soluções Ambientais LTDA protocolou no Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos  - INEMA/BA o Plano Básico Ambiental (PBA) e...

Soluções em meio ambiente
Entre em contato conosco e solicite uma proposta. Temos a solução ambiental ideal para sua empresa.