Participação de renováveis impulsiona geração de energia elétrica no Sul

energia renovável

A Região Sul possui a maior participação de energias renováveis na matriz de geração elétrica, de 92% em 2015 – índice maior que o nacional, 74%. O Centro-Oeste ocupa o segundo lugar (87%); seguido pelo Norte (86%); Nordeste (56%); e Sudeste (55%). 

A participação de 87% de hidráulica na geração total da Região Sul é também a maior entre as regiões. Os dados foram divulgados no boletim Matrizes Elétricas Estaduais – ano de referência 2015 da Secretária de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia (MME).

Comércio 

Com relação ao comércio externo de energia elétrica, o Sudeste e o Nordeste tiveram déficits em relação às necessidades totais, de 48% e 11%, respectivamente. Já a Região Norte apresentou superávit de 85%, a Sul de 73% e a Centro-Oeste, de 43%.

O Norte mostrou a maior proporção da indústria no consumo final de energia elétrica, de 48%, em razão, principalmente, da presença da indústria de alumínio, alumina e de outros não ferrosos no estado do Pará. O Centro-Oeste se destaca pela maior presença do setor de serviços, com 31%, com forte influência do indicador de 53% no Distrito Federal.

No período de 2000 a 2015, os estados com superávit de energia elétrica passaram de seis para 15, mostrando uma matriz elétrica mais diversificada e uma malha de transmissão mais robusta, capaz de promover o intercâmbio entre as regiões sem comprometimento do suprimento.

No mesmo período, o Nordeste brasileiro mostrou a maior taxa média de crescimento ao ano no consumo de energia elétrica per capita residencial, de 3,3%. A Região Sudeste ficou com a menor no mesmo quesito (0,6%).

A exemplo do que ocorre no mundo, as regiões menos desenvolvidas tendem a uma maior expansão de bens de consumo, e as mais desenvolvidas, a uma maior reposição, resultando na diferença entre os indicadores.

O boletim "Matrizes Elétricas Estaduais” apresenta dados sobre as matrizes elétricas de insumos, de geração, de demanda total, de comércio externo, de consumo final setorial e de perdas, para as cinco regiões, além de indicadores de consumo per capita, de ranking e de taxas de crescimento entre 2000 e 2015.

Fonte: Ministério das Minas e Energia (MME)

Outras notícias que talvez lhe interessem

Estudo Ambiental de Linha de Transmissão elaborado pela AMBIENTARE tem Licença Prévia liberada pelo Ibama.

O grupo espanhol Abengoa, dono da concessionária ATE XXII Transmissora de Energia, obteve licença prévia ambiental para construção de uma linha de transmissão de 380 quilômetros de extensão, projeto...
implementação de hidrovias

TCU identifica desafios para implementação de hidrovias

De acordo com o Relatório Sistêmico de Fiscalização do Setor Hidroviário, feito pelo Tribunal de Contas da União – TCU, existe uma série de desafios que limitam o desenvolvimento das hidrovias no...

Oficina discute controle da malária em regiões de grandes obras

Oficina discute controle da malária em regiões de grandes obras

O Tocantins é o primeiro estado a receber a Oficina Malária e Saúde no Licenciamento Ambiental ministrada pelo Ministério da Saúde. A oficina se iniciou na última quarta-feira, 31, no auditório do...

Soluções em meio ambiente
Entre em contato conosco e solicite uma proposta. Temos a solução ambiental ideal para sua empresa.